segunda-feira, 26 de setembro de 2011

É preciso estimular a produção artística desde cedo

Estimular a produção artística proporciona as condições para identificar marcas pessoais na hora de criar e de apreciar obras de arte

Desde muito cedo, o mundo é um campo de investigação para as crianças. Tudo vira objeto de investigação. Mole, duro, fino, grosso, macio, áspero, pequeno, grande. Os olhos e as mãos se movem rapidamente - e narizes, orelhas, cabelos, óculos, brincos, chaves e chocalhos estão entre os "alvos" prediletos. E tudo passa pela boca. Nessa fase de descoberta, cabe aos adultos sinalizar o que pode ser experimentado. Na Arte, a experimentação é fundamental e esse espírito deve ser estimulado. Sabemos que os pequenos não fazem Arte porque não têm a intenção de fazê-lo, mas o educador bem preparado pode realizar um bom trabalho. É freqüente na Educação Infantil focar os procedimentos. Ao potencializar as possibilidades de meios, suportes e ferramentas, fica mais fácil identificar marcas pessoais.

A tônica entre 1 e 2 anos é o movimento. Nessa fase, valem diversos suportes: superfícies lisas e ásperas, grandes e médias, bidimensionais e tridimensionais etc. A criançada pode pintar sobre paredes, azulejos, tecidos, plásticos... O mesmo vale para a posição: sentado, em pé, deitado, com o papel na vertical (na parede) ou na horizontal (na mesa ou na chão). Apontar as diferentes maneiras de ocupar o espaço pode contribuir para que todos se lancem em novas pesquisas.

Entre os 2 e 3 anos, os pequenos apreciam cada vez mais coordenar o prazer motor com o prazer visual, ou seja, ver o resultado de seus gestos e movimentos. Em alguns casos, eles anunciam o que vão desenhar: um super-herói, um bicho, a mãe. Isso não significa que cumprirão essa intenção. Nessa idade, o interesse está no como fazer, não no que fazer. As cores têm muitos significados e os suportes podem sugerir formas. O desenho vai se desemaranhando e a pintura passa a apresentar massas de cor separadas. O momento é de favorecer os avanços tanto em direção à figuração como à não-figuração.

Enquanto as crianças exploram, os educadores devem socializar as descobertas para que as trocas ocorram. Quando o adulto comenta o que os pequenos fazem, legitima e valoriza as conquistas, além de comunicar aos outros que eles também podem experimentar possibilidades. Os procedimentos também precisam ser considerados: ensinar desde cedo a usar a colher para comer e o pincel para pintar. Da mesma forma, a sopa serve para comer e a tinta para pintar. Nessa fase, não é bom apresentar a escova de dentes como uma ferramenta de pintura, pois a criança primeiro precisa conhecê-la em sua função original.

As propostas, na maioria das vezes, devem ser individuais, pois as crianças não trabalham em grupo, mas lado a lado. Como o processo é mais importante que o produto, está totalmente liberado fazer e desmanchar. Nem tudo precisa ser exposto, mas algumas produções podem ser colocadas em murais baixos, para revelar a importância de apreciar. As próprias crianças nos mostram como o olhar faz sentido. Hoje, a quantidade de estímulos visuais é muito grande e um modo de ajudá-las a conhecer e selecionar o que lhes interessa é criar situações de observação e conversa partindo de imagens, como reproduções de obras, fotos, vídeos, postais, slides, transparências, desenhos e pinturas infantis. Observar imagens de artistas em seus ateliês, na relação com diferentes materiais, ajuda a ampliar as referências como apreciadoras de Arte e nas produções próprias.

Fonte: Revista Nova Escola


segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Psicomotricidade e o processo de alfabetização

Correr, pular, arremessar, chutar, rolar, como as peripécias infantis podem contribuir para o processo de alfabetização?
Desde o nascimento, as crianças estão ativamente envolvidas na experimentação das suas capacidades motoras. Aos poucos, o movimento se transforma em expressão de desejo, em seguida, em linguagem. A partir daí, a criança conseguirá reproduzir situações reais, fazendo imitações nas brincadeiras de faz-de-conta. Isso garantirá a aprendizagem de conceitos formais e auxiliará em tarefas do cotidiano como dar um recado, elaborar textos, contar uma história.
A Psicomotricidade, base das atividades da Boobambu – Academia da Criança, é um instrumento riquíssimo para assegurar o desenvolvimento motor, cognitivo e social da criança. Ajuda a desenvolver a inteligência emocional, contribuindo, assim, de maneira expressiva para o desenvolvimento pleno. Por meio de brincadeiras, a criança se diverte, se conscientiza de seu corpo, cria, interpreta e se relaciona com o mundo em que vive.
Para aprender os ensinamentos formais, o corpo tem que estar organizado. Durante a aprendizagem formal, a criança terá que recorrer às experiências anteriores que são muitas vezes psicomotoras. Os conceitos básicos da aprendizagem (dentro/fora, em cima/embaixo, escuro/claro, cheio/vazio, grande/pequeno, direita/esquerda, entre outros) devem ser experimentados primeiro com o corpo para que depois possam ser representados no papel.
As habilidades psicomotoras são essenciais ao ótimo desempenho no processo de alfabetização. Uma criança que consegue organizar seu corpo no tempo e no espaço conseguirá sentar-se em uma cadeira, concentrar-se, segurar um lápis com firmeza e reproduzir no papel o que elaborou em pensamento.
A aprendizagem da leitura e da escrita exige boa coordenação óculo-manual para acompanhar as linhas de uma página com os olhos ou os dedos, boa percepção auditiva para perceber os diferentes sons das letras e boa percepção visual para reconhecer as diferenças dos pares b/d, q/d, p/q. Orientar-se adequadamente no espaço e no tempo contribui para o ajuste da escrita às dimensões do papel.
É preciso também ter domínio sobre os grandes músculos para desenvolver a coordenação motora fina, imprescindível para escrita. Portanto, é essencial que a criança corra, pule, arremesse, chute, role. Enfim, tenha várias oportunidades para desenvolver suas habilidades psicomotoras.

Lorena Galvão Werkhäuser, profissional de Educação Física, supervisora técnica da Boobambu – Academia da Criança

Referências bibliográficas:
Texto Psicomotricidade; Alexssandra Godoy, Ronaldo de Oliveira Pierre, Fabiana Lopes Monteiro, Eliana Stodolnik dos Santos, Adriana Madalena dos Santos e Andréia Costa; 1996.
Texto A psicomotricidade; Amanda Cabral Goretti

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Gestação: Alimentação é fundamental para a saúde da mamãe e do bebê

          O momento da gestação é muito especial, mas de forma geral as mulheres não estão bem preparadas para este momento do ponto de vista fisiológico. Sendo assim a gravidez acaba acontecendo com alguns desconfortos e intercorrências que poderiam ser prevenidos, caso a mulher estivesse com melhor estado de saúde. O ideal, portanto, é preparar o corpo para a gestação, fazendo check ups médicos e nutricionais, resolvendo pequenos sintomas como constipação, azia, cefaléias, anemias, controle glicêmico, colesterol, triglicérides, tendências para cálculos, má circulação, reações alérgicas, desconfortos menstruais, problemas articulares e posturais, excesso de peso e outras questões antes de engravidar. Essa preparação, dependendo da saúde da mulher, pode demorar de 3 meses a 1 ano.

          Não sendo possível, é importante ter um acompanhamento nutricional para que pequenos problemas não se tornem grandes desconfortos para a mãe e cheguem até a ameaçar a continuidade da gestação e a saúde da mãe e do bebê.

          Quais são as principais preocupações com a alimentação da gestante? Em primeiro lugar que ela consuma todos os nutrientes que o bebê precisa para sua adequada formação e desenvolvimento, sem ficar com carência de nutrientes para as suas próprias necessidades. Fundamental, portanto uma alimentação muito variada, com todos os nutrientes (proteínas, minerais, vitaminas, gorduras e carboidratos) em quantidade adequada para as necessidades de ambos e de preferência da melhor qualidade possível. Assim, o consumo de integrais e orgânicos, importante para todos, passa a ser uma necessidade vital.

          Cada trimestre de gestação tem necessidades especificas derivadas dos diferentes momentos do desenvolvimento fetal e do estado fisiológico da mãe. Então o ideal, é que a gestante tenha pelo menos 3 orientações alimentares ao longo da gestação, para que possa se adaptar a cada situação diferente.

          Importante também que a gestante não consuma remédios, suplementos, ervas medicinais ou mesmo experimente coisas diferentes sem acompanhamento medico e nutricional para evitar surpresas desagradáveis. Inclusive produtos que estava acostumada a consumir, mesmo que naturais, devem ser informados, pois podem não ter boas repercussões no processo gravídico.

Dra. Deise Lopes, Nutricionista, Graduada e Pós graduada em Saúde Coletiva e Fisiologia do Exercício pela UnB. Mestre em Nutrição Humana pela UnB. Formação em Medicina Tradicional Chinesa com enfoque em Acupuntura Sistêmica, Aurículo Acupuntura, Dietoterapia e Fititerapias Chinesas. Coordenadora do Instituto Vida Una. Sócia do Instituto Vittá de homeopatia, nutrição e medicina integrativa.



Dia 25/08, a Dra. Deise Lopes, Nutricionista do Instituto Vittá, fará uma palestra sobre o tema, dentro do projeto Quintas da Saúde, uma parceria com a Boobambu Academia da Criança.


Serviço
Quintas da Saúde – Edição de agosto – Tema: Importância da alimentação na preparação e durante a gestação. 19:30h. Necessário confirmar presença. Endereço: CLSW 303 BL. C ED Le Parc, subsolo.

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Boobambu Academia da Criança está na final do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios

Há cinco anos, a educadora física Sílvia Lobato, 31 anos, decidiu investir no mundo dos negócios. Sem conhecimento em administração, investiu pesado em cursos de capacitação. Adicionou à fórmula muita vontade em inovar. A receita deu certo. A empreendedora representa o Distrito Federal no Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2010. São 17 finalistas de todo Brasil. A cerimônia de premiação será realizada nesta quinta-feira, 16 de junho, na sede do Sebrae Nacional, em Brasília.
Nesta última fase do prêmio, serão conhecidas as melhores histórias em duas categorias: Pequenos Negócios (proprietárias de micro e pequenas empresas) e Negócios Coletivos (mulheres membros de grupos de produção formal, como cooperativas e associações).
Sílvia Lobato, proprietária da Boobambu Academia da Criança, concorre ao troféu Ouro da etapa nacional, na categoria Pequenos Negócios. A história dela foi selecionada entre outros 118 casos de mulheres empreendedoras do DF que se inscreveram no Prêmio. “Eu nunca imaginei que em meio a tantas histórias de sucesso, de mulheres guerreiras, a minha seria escolhida. É uma honra representar o Centro-Oeste. Eu estou vivendo um momento muito especial”, diz a finalista, grávida de seis meses.
As autoras dos melhores casos de sucesso das duas categorias e vencedoras do troféu ouro vão ganhar duas viagens: uma a um evento nacional de capacitação e outra a um centro de empreendedorismo referência internacional. Os destinos serão conhecidos no dia da premiação.  
Expectativa
A academia é inovadora no DF. A empresa une no mesmo espaço atividades físicas e artísticas, valores sócio-educativos e estímulos cognitivos. “As ações são para promover não só a qualidade de vida do aluno, mas de toda família”, explica a finalista. O negócio de Sílvia começou com uma única sala. Hoje, cinco anos depois, já são oito que comportam 150 alunos - crianças de 6 semanas a 10 anos.
Além do apoio técnico, para as ações de gestão e operacional, Sílvia encontrou em casa o incentivo necessário para conquistar o seu sonho. “Minha mãe foi minha maior incentivadora e meu pai, meu grande apoiador. A minha irmã também abraçou a ideia e entrou no negócio comigo”, conta.

Serviço:
Prêmio Sebrae Mulher de Negócios 2010
Quando: 16 de junho às 19h
Onde: Auditório do Sebrae Nacional, 604/605 sul, Bloco A  - Brasília

segunda-feira, 6 de junho de 2011

A importância da autonomia na vida das crianças

Autonomia é a capacidade do indivíduo de se auto-regular moral e intelectualmente.
A criança constrói gradualmente sua autonomia moral em um ambiente democrático que lhe propicie trocas sociais, permita a livre expressão de pensamentos e desejos, a tomada de decisões e a aquisição de pequenas responsabilidades.

Aqui na Boobambu, a autonomia é um aspeto importante a ser trabalhado durante as aulas. Bebês, desde pequenininhos começam a receber algumas instruções e regras de boa convivência. A hora de guardar, as soluções de conflitos, associado ao desenvolvimento da linguagem, é um grande catalizador do desenvolvimento sócio-afetivo dos pequenos.

Na modalidade Psicomotricidade, papais e mamães já não precisam mais entrar e participar das aulas. Dessa forma, sem a intervenção dos pais e babás, as crianças passam a ser donas de suas vontades. Começam a tentar resolver algum conflito, sempre auxiliados pelos professores.

Se papai e mamãe sinalizam que gostam da Boobambu, dos professores e da aula, a criança fica mais segura e tende a se adaptar mais rapidamente a esse novo momento.  Por meio das brincadeiras, diversas situações se apresentam e os professores, totalmente preparados, intervém oferecendo novos recursos para as crianças que com o tempo, passarão a utilizar as dicas com naturalidade.

Observa-se com frequência, as crianças apresentando aqueles mesmos comportamentos de solicitar ajuda, pedir emprestado, guardar o brinquedo ao final da brincadeira em outros ambientes, generalizando assim, aqueles recursos que deram certo!

Nunca é deixado de lado, o fato de serem ainda muito pequenininhos! Afinal, com 1 ano e meio, 2 anos, ainda são bebês! Entretanto, na Boobambu suas capacidades são sempre estimuladas e grandes sucessos são observados, sem perder de vista as necessidades de cuidados específicas de cada faixa etária.

Uma coisa é certa!
Eles adoram!!!!


Stela Lobato, Psicóloga, especialista em Saúde Perinatal, Educação e Desenvolvimento do Bebê. Diretora da Boobambu Academia da Criança.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

“Nossos filhos são tão inteligentes quanto lhes permitimos ser”

As vantagens de se oferecer estímulos para as crianças pequenas são várias, tais como: socialização, desenvolvimento da criatividade, linguagem, autoestima, autonomia, segurança, respeito ao próximo, assim como melhora na coordenação motora grossa e fina, concentração.
A criança começa a aprender logo após o nascimento. Quando completa seis anos de idade e começa a educação formal, já assimilou uma quantidade fantástica de informações, fato por fato, talvez mais do que irá aprender pelo resto da vida.
As crianças são excelentes aprendizes. Elas são capazes de aprender qualquer coisa ensinada de maneira honesta e direta e querem aprender tudo desta forma. Assim, somos capazes de multiplicar muitas vezes o conhecimento que ela absorve, e até mesmo seu potencial, se reconhecermos sua incrível capacidade de aprender e simultaneamente a encorajarmos para tal.
Aprender é uma recompensa e não um castigo; é um prazer e não uma obrigação; é um privilégio e não uma contrariedade. O nosso papel é instigar nas crianças o amor pela aprendizagem, que permanecerá nelas por toda a sua vida. Já que todas as crianças nascem com desejo de aprender, o mínimo que podemos fazer é não impelí-las.
Dicas para ajudar seus filhos a serem ainda mais inteligentes:
·         Respeito e confiança.
·         Sempre diga a verdade para seu filho.
·         Quando seu filho fizer uma pergunta responda honestamente, diretamente e com entusiasmo.
·         Não hesite em expressar seu ponto de vista.
·         Não teste a criança.
·         Proporcione momentos divertidos de aprendizagem
·         Aulas prazerosas, com profissionais especializados, que estimulam o gosto pela aprendizagem são uma excelente opção.

Plante hoje para colher amanhã.
As experiências de cada etapa da vida são únicas e as da infância são insubstituíveis.